"O Esboço do Calabouço" - É a imagem de um texto que se pretende perfeito, onde o autor nunca há de terminá-lo, e em seu enclausuramento, nunca poderá dele escapar."
AGMAR RAIMUNDO - O Esboço do Calabouço
Um site para entender o universo dentro e fora da construção do pensamento artístico.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


GOT VII - 6ª TEMPORADA - 2016

SEM PROTAGONISTAS E TODOS OS SÃO!
 
Esse episódio foi o mais de resenhar, não teve substância em seu roteiro, nem subsídios para nos dar palpites e opiniões. O que percebi foi uma relevante referência aos deuses, os Sete, R'hllor, o Deus da Luz ou Deus Vermelho. Essas estão nas falas de um septo e do renascido “Cão de Caça” Sandor Clegane, que constroem discussões sobre vinganças, ódio, maldição e Deus. A fim de observação, percebe-se que o septo carrega no peito dependurado em uma corrente um amuleto que traz um símbolo, a estrela de sete pontas que simboliza a harmonia do mundo, as sete cores do arco-íris, as sete zonas planetárias, partilhando, em grande parte, sua simbologia com o número sete. http://www.dicionariodesimbolos.com.br/estrela/ . A desgraça teima em Clegane, quando está na floresta cortando plantas e árvores, ouve gritos, seu vilarejo é todo dizimado, bem como, o septo que é enforcado. Cresce, silenciosamente, dentro deste cão feroz, a dor de uma marcação feita a ferro quente, um sentimento que ele supõe deixar em lacuna aberta ao pegar o machado enfincado na madeira. Citando ele próprio através de Sansa “É o aço afiado e os braços fortes que governam este mundo, e nunca acredite em outra coisa". Isso lhe trará a vingança que tanto deseja.
Deixando o “Cão de Caça” partir em sua busca, a série muda de cenário e encontra no Palácio do rei. Lá, a série lança mão à reflexão de questões referentes ao sexo consensual. Podendo usar como exemplo a situação envolvendo a rainha Margaery e seu marido, o rei, a rainha não o ama e não quer ter relações sexuais com o mesmo, mas a mulher, em tempos passados, não tinha muita escolha quando o que se debatia fosse da ordem de conjectura carnal, ela tinha obrigação de “deitar” com o marido, uma forma eufemística para “ser estuprada”, pois tinha que dar um herdeirO, isso mesmo, no masculino, tinha que ser homem. Então ela aceita forçada e amargurada.
Jon Snow parte em busca de guerreiros para montar um exército que possibilite a tomada de Winterfell. Vai aos selvagens, vai a Ilha dos Ursos, onde quem governa é uma menina de dez anos de idade, que tenta se mostrar muito prepotente e autoritária, como deve ser um rei, mas sua atuação não convence bem aos seus propósitos, no fim, ela aceita aliar-se a Snow e lhe oferece “míseros” sessenta e dois homens. Vão à Casa Glover, mas não obtêm sucesso, pois estes compartilham aliança com os Boltons e não aceitam os selvagens.
Arya é surpreendida pela menina falsa que lutava e treinava com ela na casa Branco e Preto, ela aparece com sua real aparência uma velha anciã de setenta anos. Fura o abdome de Arya algumas vezes, que se desloca de sua agressora e se joga no rio.
Assim, sem emoção, apenas enfatizando esse acontecimento com Arya e a percepção de que até este momento da série, os protagonistas não se destacam. Parece que a série não consegue comportar tanta riqueza contida nas páginas imaginárias das crônicas dos Sete Tronos.
Agmar Raimundo
Enviado por Agmar Raimundo em 18/01/2017
Alterado em 18/01/2017

Música: Game of Thrones - Ramin Djawadi | www.



Comentários